Hospital de Natividade: Bebê nasce na ambulância e quase é trocado na maternidade


Na noite da ultima sexta-feira (15fev2013) a Srª Ana Paula Fagundes dos Santos(19), esposa do Srº  Antônio Luiz  Gonçalves (33), moradores da Comunidade do Cruzeiro do Marambaia, entrou em trabalho de parto.  Então seu esposo Antônio Luiz ligou para o Posto de Urgência pedindo que uma ambulância fosse ate o local para poder levar a esposa para ser atendida. Como o atendimento demorou muito o mesmo chamou um taxi, mas no meio do caminho encontraram com ambulância, nisso passaram a paciente para ela. Só que a ambulância não estava devidamente equipada para esse tipo de atendimento, e também não tinha profissional capacitado para esse tipo de atendimento,  na ambulância só tinha o motorista e um faxineiro do Hospital de Natividade.

Aconteceu que como Srª Ana Paula como estava  em  trabalho de parto, o nascimento da crinaça dentro da ambulância sem um profissional capacitado para o atendimento e numa viatura em condições precárias.

Mas o pior, ainda estaria por vir, quando chegou no Posto de Urgência, a paciente foi encaminhada diretamente para o Hospital de Natividade. Logo após os procedimentos de atendimento necessários dados a mãe e o bebê, o pai foi ver a criança e identificou que  a pulseirinha que traz o nome da mãe da criança, não constava o nome da Srª Ana Paula, e sim, de outra mãe que estava na maternidade do Hospital de Natividade aguardando a sua filha nascer. Só não aconteceu a troca das crianças porque  só o bêbe da Srª Ana Paula estava no berçário e o da outra mãe estava para nascer.

Vejam amigos internautas onde nossa cidade esta chegando, um dia é facada recebida por uma mãe de família, outro dia um atentado de estupro  no centro da cidade, agora  uma falha profissional que quase instala  o caos  no seio de duas  famílias.

Amigo internauta me faço essa pergunta: Onde vamos para? 

Nossa cidade tem aproximadamente 15 mil habitantes, a saúde de nosso Município é precária, para não dizer horrível, pedimos as autoridades competentes que tomem uma providencia, pois como sempre a classe média e pobre é a menos favorecida, pagando assim pela incompetência de alguns.

Veja o depoimento do pai da criança o Srº Antônio Luiz